jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA (AMS): AMS 1007985-54.2018.4.01.3800

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

SÉTIMA TURMA

Julgamento

9 de Junho de 2020

Relator

DESEMBARGADOR FEDERAL KASSIO NUNES MARQUES
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

TRIBUTÁRIO. APELAÇÃO. REDUÇÃO DE BENEFÍCIO FISCAL. REINTEGRA. MAJORAÇÃO INDIRETA DE TRIBUTO. ANTERIORIDADE DE EXERCÍCIO E NONAGESIMAL. INCIDÊNCIA.

1. A mais recente jurisprudência do Supremo Tribunal Federal STF é imperativa no sentido de que a revogação ou redução de benefício fiscal, por caracterizar genuína majoração indireta de tributos, deve observar o princípio da anterioridade anual e nonagesimal.
2. Em regra, a Constituição impõe a incidência da anterioridade em suas duas vertentes, de modo que não é permitido aos entes políticos cobrar tributos no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os institui ou aumentou e antes de decorridos noventa dias da referida publicação (art. 150, III, b e c).
3. A Emenda Constitucional n. 42, que promoveu a inclusão da alínea c no inciso III do art. 150, não revogou a anterioridade de exercício prevista na alínea b do referido dispositivo constitucional. Pelo contrário, deixou expressamente consignado que a anterioridade nonagesimal não exclui a incidência da anterioridade de exercício, sendo imperiosa a aplicação concomitante, salvo exceções constitucionais.
4. Trata-se de verdadeiro reforço à garantia do contribuinte de não ser surpreendido com a cobrança de exação a que não se programou. As anterioridades de exercício e nonagesimal se complementam para garantir a segurança jurídica e vedar surpresa ao contribuinte.
5. Quando a Constituição pretendeu afastar o princípio da anterioridade de exercício e aplicar apenas a noventena, ela o fez expressamente, como na hipótese das contribuições sociais para a seguridade social (art. 195, § 6º). Igualmente, verifica-se que outras exceções à anterioridade são previstas explicitamente no art. 150, § 1º, da CRFB/1988, com redação dada pela EC n. 42/2003.
6. Os documentos juntados com a inicial indicam a existência de relação jurídico-tributária entre as partes, sendo certo que a pretensão da autora consiste em ver reconhecido o seu direito à apuração dos créditos fiscais, mediante aplicação do percentual anterior à redução do benefício em questão, que, notadamente, deveram ser auferidos mediante análise da documentação pertinente no momento oportuno. 7. Apelação da impetrante provida e da União improvida.

Acórdão

A Turma, por unanimidade, deu provimento à apelação da impetrante e negou provimento à apelação da União.
Disponível em: https://trf-1.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1216362035/apelacao-em-mandado-de-seguranca-ams-ams-10079855420184013800

Informações relacionadas

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 2 anos

Supremo Tribunal Federal STF - REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO: ARE 1285177 ES

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 3 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL: AgInt nos EDcl no REsp 1500769 RS 2014/0312679-9

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1978965 RS 2021/0403615-4

Lucianne Coimbra Klein, Advogado
Notíciashá 7 meses

STF não decidirá sobre a legitimidade de revogação de benefício fiscal em matéria de IPVA

Alessandra Strazzi, Advogado
Artigoshá 2 anos

"Portarização" do Direito Previdenciário: uma expressão acertada!