jusbrasil.com.br
15 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AG XXXXX-50.2018.4.01.0000

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

QUARTA TURMA

Publicação

Julgamento

Relator

DESEMBARGADOR FEDERAL NÉVITON GUEDES
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. CONSTRUÇÃO DE ESCOLA MUNICIPAL FORA DOS PADRÕES DEFINIDOS PELO FNDE. INDÍCIOS DE CONDUTA ÍMPROBA. DANO AO ERÁRIO. INDISPONIBILIDADE DE BENS. LIMITAÇÃO. SUSPENSÃO DA MULTA. AGRAVO DE INSTRUMENTO PARCIALMENTE PROVIDO.

1. Agravo de instrumento interposto contra decisão que, nos autos de ação civil pública de improbidade administrativa promovida pelo Ministério Público Federal em desfavor do agravante e outros, deferiu o pedido liminar para decretar a indisponibilidade de bens dos requeridos até o montante correspondente ao valor do dano ao erário (R$ 990.635,10), acrescido de multa civil no mesmo valor, ou seja, R$ 1.981.270,20 (um milhão, novecentos e oitenta e um mil, duzentos e setenta reais e vinte centavos), com o bloqueio de bens móveis e imóveis, por meio dos sistemas informatizados (Bacenjud, Renajud e CNIB).
2. Alega o MPF que o agravante, representante legal da empresa NH Empreendimentos Ltda. pessoa jurídica que teria concorrido para a prática dos atos de improbidade administrativa por ser a proprietária dos lotes expropriados para a construção da escola , detinha pleno e total conhecimento de que o valor fixado a título de indenização era superfaturado, razão por que teria se enriquecido ilicitamente.
3. O STJ tem entendimento firmado, sob o rito dos recursos especiais repetitivos, de que a indisponibilidade dos bens é cabível quando o julgador entender presentes fortes indícios de responsabilidade na prática de ato de improbidade que cause dano ao erário, não estando condicionada à comprovação de que o réu esteja dilapidando seu patrimônio, ou na iminência de fazê-lo, tendo em vista que o periculum in mora encontra-se implícito no comando legal que rege, de forma peculiar, o sistema de cautelaridade na ação de improbidade administrativa ( REsp 1.366.721/BA, rel. p/ acórdão Ministro Og Fernandes, Primeira Seção, DJe 19/09/14).
4. Verifica-se a relevância dos argumentos expendidos na ação civil pública, tendo o Parquet Federal demonstrado, em relação à agravante, a princípio, a prática de ato de improbidade com dano ao erário, de modo a justificar a indisponibilidade e bloqueio de bens nesse momento processual, uma vez que há indícios de que o recorrente tenha contribuído dolosamente para a desapropriação de área de valor muito superior à necessária para a construção de escola municipal de 12 (doze) salas, padrão FNDE.
5. Tendo o magistrado demonstrado na decisão impugnada, ainda que minimamente, indícios suficientes da prática de crime de responsabilidade por parte da agravante, com consequências danosas ao erário, a constrição de bens como garantia ao ressarcimento do dano deve ser mantida.
6. Em relação às alegações do agravante de que não houve enriquecimento ilícito ou dano ao erário, nem supervalorização da área expropriada, tais questões desafiam instrução processual, quando se poderá perquirir com maior profundidade a supostas práticas de atos ilegais por parte da requerida, não sendo, portanto, suscetível de apreciação nessa fase processual. Precedentes: AG XXXXX-37.2017.4.01.0000/MG, Rel. Desembargador Federal Ney Bello, Terceira Turma, 20/10/2017 e-DJF1; AG XXXXX-69.2016.4.01.0000/PI, Rel. Desembargador Federal Olindo Menezes, Quarta Turma, e-DJF1 DATA: 05/05/2017.
7. De acordo com a jurisprudência da Quarta Turma, não pode a indisponibilidade de bens ser excessiva, devendo limitar-se a constrição de bens ao valor necessário ao ressarcimento integral do dano na medida da responsabilidade do agente, vale dizer, o bloqueio de ativos de cada um dos agentes não pode alcançar o valor total do dano causado ou do benefício supostamente auferido, com a ressalva, contudo, do meu ponto de vista do relator, em consonância com a jurisprudência do STJ, que entende que a responsabilidade é solidária até, ao menos, a instrução final do feito ( REsp 1.637.831/SP, Rel. Ministro Herman Benjamin, Segunda Turma, DJe 19/12/2016). Precedentes do Tribunal: AG XXXXX-79.2016.4.01.0000/TO, Rel. Juiz Federal Guilherme Mendonça Doehler, Terceira Turma, 24/02/2017 e-DJF1; AG XXXXX-79.2016.4.01.0000/MG, Rel. Desembargador Federal Olindo Menezes, Quarta Turma, 04/11/2016 e-DJF1.
8. A constrição não pode incidir sobre verbas de caráter alimentar, tais como saldos de conta corrente ou poupança, sob risco de se privar o agente dos recursos indispensáveis à sua própria subsistência e de sua família, razão por que não pode haver o bloqueio de contas correntes com valores inferiores a 50 (cinquenta) salários mínimos ou de contas de poupança com valores inferiores a 40 (quarenta) salários mínimos, a teor do art. 833, IV e X e § 2º, do CPC, bem como da jurisprudência do Tribunal acerca do tema. Precedentes: AG XXXXX-03.2015.4.01.0000/BA, Rel. Des. Federal Ney Bello, Terceira Turma, 24/01/2017 e-DJF1; AG XXXXX-85.2016.4.01.0000/MG, Rel. Des. Federal Olindo Menezes, Quarta Turma, 23/02/2017 e-DJF1.
9. Em relação à multa civil, o STJ, em decisão de afetação, determinou a suspensão dos processos que tratam de tal matéria (Tema Repetitivo 1055), até "definir se é possível - ou não - a inclusão do valor de eventual multa civil na medida de indisponibilidade de bens decretada na ação de improbidade administrativa, inclusive naquelas demandas ajuizadas com esteio na alegada prática de conduta prevista no art. 11 da Lei 8.429/1992, tipificador da ofensa aos princípios nucleares administrativos" (ProAfR no REsp 1.862.792/PR e ProAfR no REsp 1.862.797/PR, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, Primeira Seção, DJe 26/06/2020).
10. Nessa situação, deve ser excluída a multa civil imposta ao agravante, até decisão definitiva a ser proferida pelo STJ sobre o tema.
11. Deve a constrição, portanto, recair apenas sobre o montante do dano em valor proporcional à cota-parte do agravante, com a exclusão do valor correspondente à multa civil, bem como das verbas de natureza alimentar depositadas em contas bancárias.
12. Agravo de instrumento a que se dá parcial provimento para, reformando em parte a decisão agravada, limitar a constrição ao valor do dano (R$ 990.635,10), em quantia proporcional à cota-parte do agravante de 1/8 (um oitavo) do dano, com a exclusão da multa civil, bem como das verbas de natureza alimentar depositadas em contas bancárias, mantido, contudo, eventual bloqueio de bens realizados pelo sistema RENAJUD e de bens imóveis.

Acórdão

A Turma, por unanimidade, deu parcial provimento ao agravo de instrumento, nos termos do voto do relator.
Disponível em: https://trf-1.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1281151824/agravo-de-instrumento-ag-10264515020184010000

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível: AC XXXXX Araranguá 2012.035539-7

Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI XXXXX-62.2018.4.03.0000 SP

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp XXXXX SP 2021/XXXXX-9

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 10 meses

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - Apelação/Remessa Necessária: APL XXXXX-02.2013.4.04.7015 PR XXXXX-02.2013.4.04.7015

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC): AC XXXXX-97.2017.4.01.0000