jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC): AC 0055592-42.2002.4.01.3800

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

QUINTA TURMA

Publicação

21/10/2011

Julgamento

3 de Outubro de 2011

Relator

DESEMBARGADOR FEDERAL FAGUNDES DE DEUS
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

CIVIL. SFH. CONTRATO DE MÚTUO HABITACIONAL FIRMADO ANTES DE DEZEMBRO/90. PREVISÃO DE COBERTURA PELO FCVS. LEGITIMIDADE EXCLUSIVA DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. DUPLO FINANCIAMENTO. POSSIBILIDADE DE QUITAÇÃO DO SALDO RESIDUAL.

1. A Caixa Econômica Federal tem legitimidade passiva exclusiva nas ações em que se busca a quitação pelo FCVS de financiamento habitacional com ela celebrado, por competir-lhe a administração operacional do referido fundo. Preliminar de legitimidade passiva da União rejeitada. Precedentes.
2. Segundo a regra do art. da Lei 8.100/90, com a redação introduzida pela Lei 10.150/2000, os mutuários que celebraram financiamento habitacional com previsão de cobertura pelo FCVS e em data anterior a 05/12/1990 têm direito à quitação do saldo devedor remanescente ao final de seu contrato de mútuo habitacional com os benefícios do citado ato legislativo.
3. Descabe, assim, negar aos mutuários a quitação do financiamento pelo FCVS, ao argumento de que possuíam outro imóvel na mesma localidade com cobertura do referido fundo.
4. A matéria em causa já foi alvo de deliberação em idêntico sentido pela Primeira Seção do egrégio STJ, quando do julgamento do REsp n. 1.133.769 - SP, de relatoria do Exmo. Min. Luiz Fux, submetido ao regime do art. 543-C do CPC e da Resolução n. 8/08 do STJ, que tratam dos recursos representativos da controvérsia.
5. Em se tratando de ação na qual não há condenação, a verba honorária deve ser fixada por equidade, a teor do art. 20, § 4º, do CPC. Caso em que se mostra razoável o arbitramento dos honorários advocatícios em 10% sobre o valor atribuído à causa (R$ 12.500,00 em 14/11/2002), dada a ausência de complexidade da matéria posta em juízo, a qual vem sendo repetidamente submetida aos tribunais, e, por versar questão unicamente de direito, não exige maiores esforços do patrono da parte.
6. Apelação da Caixa Econômica Federal e do Banco Econômico S/A, bem como recurso adesivo da parte autora desprovidos.

Acórdão

A Turma, por unanimidade, negou provimento aos apelos da Caixa Econômica Federal e do Banco Econômico S/A, bem como ao recurso adesivo da parte autora.
Disponível em: https://trf-1.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/909288741/apelacao-civel-ac-ac-555924220024013800

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1133769 RN 2009/0111340-2

Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC): AC 0060998-63.2010.4.01.3800

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 13 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1133769 RN 2009/0111340-2

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL: AC 5001834-16.2015.404.7101 RS 5001834-16.2015.404.7101

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC): AC 0060998-63.2010.4.01.3800