jusbrasil.com.br
19 de Fevereiro de 2020
    Adicione tópicos

    Servidor do Ibama responderá a processo penal por falsificação de documento público

    A decisão é da 3.ª Turma. Por decisão da justiça federal de primeira instância, foi recebida denúncia e autorizada quebra do sigilo bancário de um investigado sob a acusação de haver concedido, na qualidade de servidor do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Barreiras, documentos públicos ideologicamente falsos que autorizavam o desmatamento em várias áreas da Fazenda Estrondo/BA, beneficiando terceiros.

    O servidor público é acusado de ser o responsável por, em 18/11/2002, autorizar desmatamento irregular no município de Formosa do Rio Preto/BA. Foram no total 69 autorizações, em um único dia, para aproximadamente 49.000 ha.

    Sete meses depois, em vistoria à fazenda Estrondo, foram encontrados outros documentos assinados por ele, todos em nome da Companhia de Melhoramentos do Oeste da Bahia (CMOB) e Delfin Rio S.A. Créditos Imobiliários. Os documentos foram emitidos, segundo consta nos autos, com base em supostos laudos técnicos de engenheira do órgão.

    O acusado afirma que tudo foi realizado tendo em vista o devido processo legal, no qual o proprietário/beneficiário das terras teria cumprido todas as exigências para o desmatamento.

    Foi aberto um processo administrativo disciplinar no IBAMA, pela presidência do órgão, contra o agente público, onde ficou comprovado que em nenhum documento assinado pelo acusado havia carimbo de protocolo e que as taxas de vistoria foram pagas após as autorizações, o que leva a conclusão de inexistência de vistoria e de laudo técnico.

    Com base no Código Penal, o Ministério Público Federal apresentou denúncia contra o servidor público. Ele responde por omissão de informações e inserir declarações falsas em documentos públicos.

    Em recurso ao TRF1, o servidor tentou anular a decisão que recebeu a ação penal e autorizou acesso às suas contas bancárias.

    Ao analisar o recurso, o relator, juiz federal convocado Klaus Kuschel, entendeu que os fatos narrados na denúncia e os indícios de sua prática constantes dos autos são suficientes para a abertura da ação penal e que a quebra do sigilo bancário foi devidamente fundamentada, nos termos da Lei Complementar 105/2001.

    O voto foi acompanhado pelos demais membros da Terceira Turma.

    Processo n.º 0060938-39.2013.4.01.0000/BA

    Data do julgamento: 18/12/2013

    Publicação no diário oficial (e-dJF1): 10/01/2014

    CC

    Assessoria de Comunicação Social

    Tribunal Regional Federal da 1.ª Região

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)