jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Sentença coibe capitalização de juros em contratos de financiamento estudantil

    Em ação de rito ordinário, em face da Caixa Econômica Federal, com pedido de antecipação dos efeitos da tutela, pretende a parte autora, em síntese, suspender da cobrança das parcelas a taxa de juros de 9% ao ano e a capitalização mensal de juros, mantendo no cálculo somente a taxa de rentabilidade de 6% ao ano, ou, sucessivamente, a manutenção somente da taxa de rentabilidade de 9% ao ano, alem da imediata exclusão de seu nome e de seu fiador dos cadastros de inadimplentes, ou que se abstenha de incluí-los, e impedir a instauração de qualquer procedimento administrativo com a finalidade de cobrar o débito em questão.

    O juiz federal JESUS CRISÓSTOMO DE ALMEIDA, numa primeira análise, encontrou probabilidade de êxito na versão dos fatos apresentados e na tese jurídica defendida pela Autora, e concedeu a antecipação dos efeitos da tutela.

    O magistrado verificou que o contrato previu a capitalização de juros, requisito vedado pelo Decreto nº 22.626/33, comumente conhecido como Lei de Usura.

    Mas, observou Jesus Crisóstomo, o contrato foi celebrado em 27/12/2005, data posterior ao advento da Medida Provisória 1963-17, de 31 de março de 2000, que permite a capitalização de juros com periodicidade inferior a um ano em operações realizadas por instituições financeiras, como no presente caso.

    Porém, acrescentou o juiz, o Superior Tribunal de Justiça, mesmo com relação aos contratos firmados após a MP 1963-17, firmou posicionamento no sentido de não ser possível a ocorrência da capitalização de juros nos contratos de financiamento estudantil FIES, persistindo, portanto, a vedação contida na Lei de Usura.

    Em seu julgamento, observou que a prática do anatocismo (capitalização de juros) tem sido praticada quando o pagamento de juros remuneratórios está limitado a uma parcela trimestral de R$ 50,00 e nos doze primeiros meses de amortização, nos quais o estudante fica obrigado a pagar apenas o valor equivalente ao que pagou diretamente à instituição de ensino superior em seu último semestre.

    No entendimento do julgador, ante os deveres anexos que, imanentes ao princípio da boa fé objetiva, impõem aos contratantes a assunção de postura leal e cooperativa entre si, necessária para garantir que seus interesses no ajuste sejam satisfeitos sem apelo a sutilezas que permitam a um deles obter proveito excessivo do outro, a parcela de juros que superar o montante de R$ 50,00 trimestralmente pagos, que vinha sendo incorporada ao saldo devedor, deve, até que tenha início a última etapa de amortização (destinada ao parcelamento do saldo devedor restante) passar a compor um saldo devedor apartado, o qual deverá ser atualizado exclusivamente pelo índice oficial de correção monetária menos gravoso para o estudante financiado, evitando, com isso, a ocorrência do anatocismo. Da mesma forma, devem compor tal saldo devedor paralelo, as parcelas de juros que, nos doze primeiros meses da fase de amortização, após a quitação integral dos acessórios e da parcela de amortização, superem a parcela mensal.

    Tendo sido constituído o crédito em 2005, através do FIES, vigendo a Lei n. 10.260/2001, os juros fixados em 9% ao ano não padecem de ilegalidade. Por outro lado, a Lei n. 12.202/2010 reduziu a taxa efetiva de juros e o Conselho Monetário Nacional fixou-a em 3,40% ao ano, a partir da data da publicação, ou seja, 11 de março de 2010, tanto para o saldo devedor dos contratos antigos, quanto para os futuros. Desse modo, sobre o saldo devedor do presente contrato deve incidir a taxa de juros de 3,40% ao ano sobre as parcelas devidas a partir de 11/03/2010, bem como é indevida a capitalização de juros.

    Do exposto, o magistrado confirmou a decisão de antecipação dos efeitos da tutela e julgou parcialmente procedente o pleito revisional.

    Clique AQUI, para acessar o inteiro teor da sentença.

    Fonte: Seção de Comunicação Social

    Informações relacionadas

    Carlos Wilians, Advogado
    Modeloshá 7 meses

    Modelo | Tutela Provisória de Urgência

    Rodrigo Mota de Cerqueira, Advogado
    Artigosano passado

    A revisão dos contratos de financiamento estudantil

    Adriano Hermida Maia, Advogado
    Artigoshá 2 anos

    Revisão de Juros de FIES

    Tribunal de Justiça de São Paulo
    Jurisprudênciahá 7 meses

    Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-79.2018.8.26.0006 SP XXXXX-79.2018.8.26.0006

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 12 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX RN 2009/XXXXX-6

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)